01 abril 2013

Coisas

Ahhhhh, olha eu aqui de novo!
Feriadão passou e a gente aqui de volta a ativa.
Gibs s2
Poisé, o feriado em si, eu não curti muito.. Tive aula no "falso feriado", que foi quinta. E para piorar, foi de matemática, física e atualidades (fala que não dá pra dormir bem?! kkk ~não faço isso, que fique bem claro~). E, além disso, tive de ir para uma fazenda. Mas até que estava bom lá. Muito divertido, relembrei muito da minha infância jogando Queima e descobri que não tenho mais a habilidade e a força que tinha aos 7 anos. Tinha o "Bom de Bola, Craque na Escola" na cidadezinha onde eu morava, eu sempre participava e meu time sempre ganhava. Longe de mim querer me vangloriar por conta disso, mas.. só o time onde eu estava ganhava, o que posso fazer?! hsuahauhs'
Mas, mas, mas.... o sábado foi muito bom! Ainda estava na fazenda e de dia, eu e alguns primos da minha amiga, fomos comprar sorvete na Fronteira e depois fui pra Frutal.
A Juliana, a Isa, o Rapha e eu fomos no Pub. A banda que o Yan faz parte, tocou lá, e sinceramente, esse último show deles foi muito melhor que os outros que eu fui. E, além de as músicas estarem muuuuito boas, a companhia estava muito boa também.
Mas fiquei infinitamente triste porque consegui derrubar a ice que eu estava bebendo. Mas isso é detalhe. Um detalhe triste, porque vai ser caro lá longe essa bostinha.
A gente chegou bem depois do horário dessa vez e meu pai meio que ficou bravo, e por mais inimaginável que possa ser, a Juliana disse que a culpa foi dela. Ela está ficando gente boa agora, ainda bem.
E domingo foi melhor ainda! Estudei para minhas provas e na parte da tarde fui com o Raphael jogar vôlei com o pessoal do rotaract. Ralei meu pé. E a noite, fui pra casa dele ver filme e comer pizza.
Já que ninguém lê o blog, vou escrever exatamente o que estou pensando, nada calculado ou já escrito em folhas ou diários.
Aquele homem me encanta e me deixa boba. Odeio ficar sem palavras quando me perguntam ou dizem algo, e sempre que alguém me pergunta sobre ele, eu meio que não consigo responder.. Dou aquela resposta básica e com um "hehe" no fim da frase. Não consigo ficar sem pensar nele e sempre me arrependo quando tento ignorar minha carência dele, quando tento não demonstrar o quanto ele é "necessário" pra mim. Não penso e nem dou corda a mais ninguém. E é toda hora e qualquer coisa que eu faço, ele me aparece na cabeça. E reler o que escrevi me faz pensar que virei uma psicopata. Isso me dá medo. Medo, sinceramente. Não de virar uma psicopata, mas de não tirar ele da cabeça. Não que eu queira, mas e se algum dia algo der errado? ~pergunta idiota~> No que eu vou pensar? Quem vai levar pra fazer coisas legais? Quem vai me ensinar a ser um pouco sensata?
Preciso parar de depender mentalmente dele. Tudo que acontece ou vai acontecer eu penso: "Mas e o Rapha?"
Isso não é uma preocupação que as pessoas olhariam e realmente concordariam que seria uma coisa "digna" de ser chamada de preocupação. Mas é uma das coisas que mais me atormenta quando vou dormir ou escrever algo.
Mas, por enquanto vou levando essa preocupação, depois penso em como posso amenizar minha psicopatisse.
Enfim, hoje tive duas provas de matemática, uma de sociologia e outra de literatura, e já vou começar a revisar as matérias para a recuperação de matemática que eu e mais metade da sala vai ter que fazer.
Poxa, fiquei tão feliz quando achei que ia ficar uma semana sem provas.
E hoje tive uma notícia muito ruim. Meu professor foda de Geografia não vai mais me dar aula. Ele é um daqueles tipos de professores que quando a gente precisa de uma ajuda, é só chamar. Parece mais amigo de sala que professor. Fiquei realmente triste com isso. E, apesar de ser 1º de Abril, não é mentira. Mas bem que poderia ser.
É.. vou parando por aqui. Enquanto escrevia, estava ouvindo o dvd do Kid Abelha e o da homenagem à Rita Lee (Som Brasil) que o Raphael me deu.

Que preguiça de acordar cedo amanhã.


"A esperança era meu maior pecado." Clarice Lispector