02 junho 2013

Nada concreto


Faz um tempo que ando me sentindo esquisita. Não sei o que eu tenho. Não estou me sentindo sozinha nem quero ficar sozinha. Me sinto um pouco cansada de tudo, eu acho. Quero fazer algumas coisas, mas não me sinto a fim. E outras coisas que quero e estou a fim, parece que a pessoa não está querendo para aquela hora. Não quero me importar. Quero perder a cabeça, falar o que der na telha, mas não tenho um motivo para isso. Estou cansada de ter conversas calculadas. Nem gosto de cálculos! Tenho fome, mas não tenho vontade de comer. Tenho amigos, mas, hora não quero me socializar, hora quero conversar com todo mundo. Quero meu quarto bagunçado, mas estou sempre arrumando-o. Não quero me levar a sério. Preciso por minhas leituras em dia, mas estou sempre estudando. Preciso estudar direito, mas estou sempre lendo. Tenho que parar de me irritar tanto, minha cabeça não para de doer. Ando querendo me desligar de coisas, pessoas, lugares... Quero tudo de um jeito novo, mas com ar de velho conhecido. Quero sair, fazer diferente. Quero meus sonhos vivos e brilhando. Quero parar de me sentir assim. Quero dar os passos certos e alguns sem pensar se é errado ou não. Não consigo ver mais sentido em certas coisas, e não sei quais são essas coisas. Quero me divertir, mas não consigo. Sinto vontade de chorar, mas não choro. Sinto vontade de vomitar, mas não vomito. Sinto vontade de gritar, mas não grito. Quero sonhos novos que não tenha ninguém dentro. Quero bater o pé e reclamar. Não quero pensar nos outros. Estou ficando confusa e não sei porque! Estou angustiada. Quero carinho. Não quero ser melosa nem dramática. Estou cansada de fingir. Fingir que gosto, fingir que acredito, fingir que me divirto, fingir que quero.
Na verdade, nem sei o que eu quero. Só não quero assim. Cansei.

2 comentários:

  1. Eu nessa mesma fase. É difícil. Muito, mas vai passar. É como se tudo não passasse de um quebra-cabeças, só que de peças iguais. Parece que tudo aglomera de uma vez só e a única saída é fugir, mas fugir está tão fora do nosso alcance, que a nossa única alternativa é tentar entender e arrumar toda essa bagunça.
    Quando nada mais fizer sentido querida, sorria, e acredite: isso é a vida.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa, é exatamente isso. Mas... é como se as minhas peças fossem todas diferentes, só que nenhuma delas se juntam umas com as outras. Tenho uma imensa vontade de fugir de tudo, de todas as responsabilidades, de tudo o que me preocupa. Acho que só quero desabafar, mas não sei com quem e nem o que desabafar! Isso é muito estranho, porque nunca me senti dessa maneira.

      Excluir

"Quero desesperadamente ser uma sacudidora de palavras para o mundo."
Markus Zusak


- Não esqueça de deixar o link do seu blog para que eu possa te visitar!