05 janeiro 2015

{Resenha} Divergente

Comecei o ano com uma trilogia maravilhosa, que desde que vi o filme estou louca para ler o livro. E o melhor: eu ganhei de natal a trilogia Divergente do meu namorado lindo que sabe como me dar presentes maravilhosos.

Numa Chicago futurista, a sociedade se divide em cinco facções – Abnegação, Amizade, Audácia, Franqueza e Erudição – e não pertencer a nenhuma facção é como ser invisível. Beatrice cresceu na Abnegação, mas o teste de aptidão por que passam todos os jovens aos 16 anos, numa grande cerimônia de iniciação que determina a que grupo querem se unir para passar o resto de suas vidas, revela que ela é, na verdade, uma divergente, não respondendo às simulações conforme o previsto. A jovem deve então decidir entre ficar com sua família ou ser quem ela realmente é. E acaba fazendo uma escolha que surpreende a todos, inclusive a ela mesma, e que terá desdobramentos sobre sua vida, seu coração e até mesmo sobre a sociedade supostamente ideal em que vive.
Editora: Rocco
Título Original: Divergent
Autora: Veronica Roth
Páginas: 504
Ano: 2012 
Compare preços!

A história é contada na cidade de Chicago, onde a sociedade é dividida em cinco facções: Abnegação, Erudição, Amizade, Franqueza e Audácia. "Os que culpavam a agressividade formaram a Amizade. Os que culpavam a ignorância se tornaram a Erudição. Os que culpavam a duplicidade fundaram a Franqueza. Os que culpavam o egoísmo geraram a Abnegação. E os que culpavam a covardia se juntaram a Audácia." (Página 48). Todas as facções contribuem com algum setor da cidade, sendo responsáveis de por as coisa em ordem e viverem em paz um com os outros.

Cada facção tem sua própria identidade. Desde o comportamento até a forma de se vestir e viver. E, aos 16 anos, conhecemos Beatrice Prior, filha de um casal da Abnegação, que não se sente como sendo de sua facção, pois ela é curiosa, corajosa e não é altruísta o suficiente para fazer parte da facção.

É feito um teste de aptidão para ajudar cada jovem a decidir, na Cerimônia da Escolha, se vai continuar na facção na qual nasceu e foi criado ou se vai escolher uma nova vida, deixando para trás amigos e familiares. Afinal de contas, o lema da sociedade é: "A facção antes do sangue."

No teste de Beatrice (que já estava mais confusa que tudo para escolher), não poderia ter um resultado pior: ela não se encaixa em apenas uma facção, mas em três. Abnegação, Erudição e Audácia. Beatrice é altruísta, inteligente e corajosa, o que a torna uma Divergente.

Os Divergentes são considerados perigosos para a sociedade, pois pensam de maneira diferente de todos. Tori, a pessoa que aplicou o teste de Beatrice, alterou o resultado do teste para que ninguém ficasse sabendo e a aconselha a não contar nem a seus pais.

Na Cerimônia da Escolha, Beatrice surpreende todos escolhendo a Audácia como sua facção e agora terá que passar por testes físicos, emocionais e mentais para se tornar membro da Audácia. Caso alguém não consiga passar por esses estágios, a pessoa vira um sem-facção (que são como mendigos que não convivem em comunidade).

Agora, Beatrice pode escolher como quer ser chamada na sua nova casa: Tris. E, enfim, conhecemos Quatro, que será instrutor dos iniciandos transferidos de outras facções. Tris faz amigos e inimigos dentro da Audácia, sofre bullying e ainda tem que assistir a Erudição atacar sua antiga facção verbalmente para conseguir governar a cidade, pois a Abnegação lidera o governo por não serem egoísta e corruptos.

E, mesmo que tenha romance no livro, esse não é nem de perto o foco da história. Quatro é como um apoio para Tris e vice-versa. Como todas as distopias que já li, o foco é o governo e como eles manipulam a sociedade. Mas em Divergente, isso é contado na visão de Tris e com todos os seus sentimentos e tormentos juntos.

Eu simplesmente amei o livro e, apesar de ter ficado enorme, vim aqui rapidinho para fazer a resenha de Divergente e já estou indo embora para terminar de ler Insurgente!

Au revoir!

6 comentários:

  1. Divergente é de longe o melhor livro da trilogia pra mim <3 Simplesmente amei ele todo. Quando eu li, eu não tinha Insurgente ainda, obviamente que eu larguei minha vida para comprar ele em seguida porque não ia aguentar de curiosidade HAHAHAHAHA

    ps: No segundo parágrafo faltou um m no tem: "Cada facção te sua própria identidade."

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acabei de ler Insurgente agooora mesmo e já vou começar Convergente. É triste esperar a continuação quando um livro tão bom acaba ={
      Gostei da trilogia assim que comecei a ler a primeira página de Divergente, adorei Insurgente, achei que teve mais ação e um pouco mais de envolvimento com Tobias e a Tris. Achei mais real o relacionamento deles. Não gosto de livros muito melosos. hahha
      Obrigada! Já arrumei.

      Excluir
  2. Preciso ler esse livro e rápido, mais uma ótima resenha q leio desse livro, parabéns. Me disseram que é uma ótima trilogia, pretendo comprar mês que vêm!

    http://iii-threegeeks.blogspot.com.br/2015/01/top-10-melhores-filmes-de-2014-segundo.html

    ResponderExcluir
  3. Adoro essa saga *-* O final foi bem triste, mas gostei de como as coisas terminaram. Insurgente é o meu favorito :3

    Beijinhos! ^-^

    www.serenomundo.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ficou interessante a maneira como acabou, mas isso não muda o fato de que quase me desidratei de tanto chorar.

      Excluir

"Quero desesperadamente ser uma sacudidora de palavras para o mundo."
Markus Zusak


- Não esqueça de deixar o link do seu blog para que eu possa te visitar!